KIT DO SAGRADO FEMININO FAVORECENDO A CONEXÃO À DEUSA

Arquétipo feminino e o ciclo  dos elementos

O kit do sagrado feminino foi elaborado por mim, Celi Coutinho para que você possa passar a sua fase ovariana (vou explicar num artigo) com todo cuidado e atenção que o seu período mensal exige.
Cuidando, tratando, reconhecendo e reconectado via a A saboaria e herbomagia Ser Divina, favorecendo ao autocuidado e a conexão com a sua Deusa interior de cada fase lunar.
E assim, poder reconhecer, e atuar como sacerdotisa, feiticeira e anciã num ciclo ovariano.

De modo simples você, poderá aliar essa magia aos cuidados tradicionais da higiene corporal, ampliando este rito para o encontro e o reconhecimento da energia arquetípica de forma manifestada e sentida,
De forma meditacional e ritualística durante cada fase lunar do seu período mensal ovariano.
Um kit para cada fase lunar.
Criei estes kits baseado no conhecimento dos arquétipos do sagrado feminino, lhe auxiliando a reconhecer sua sombra e transformar num momento para com você e por você, mesmo que seu cotidiano seja cheio, seguramente você tomará seu banho, e o processo ritualístico poderá ser feito em 20 minutos.

Dá pra reservar este tempo, não é mesmo?

Ok Kits são :

 SACERDOTISA

Kit Sagrado Feminino_sacerdotisa

ELEMENTO AR/ÉTER

Este é um kit para trabalhar com o elemento Ar.
Significa fazer conexão com o seu lado mais criativo, ter a força e a energia para co-criar.
Trabalhar com o elemento Éter é reconhecer a sua parte de intuição deixando-a mais clara e refinada, equilibrando inclusive a sua mediunidade.
Use esse kit no período da ovulação.

GUERREIRA/FEITICEIRA

ELEMENTO AR/FOGO  
A proposta aqui é promover uma conexão com o arquétipo Guerreira /Feiticeira.
A energia da guerreira precisa ser transformada para a energia da heroína, e da feiticeira resgatada e aflorada. Para ser trabalhado logo após o período menstrual.

ARQUÉTIPO MÃE

Elemento Água
Trabalhar o elemento água significa trabalhar com as emoções que estão estagnadas e colocá-las para fluir, durante e após o banho.
A proposta aqui é promover uma conexão com o arquétipo Mãe, dá acolhimento e aconchego as emoções que estão escondidas e ressignificá-las na força da Aromagia.
Ideal para ser trabalhado durante o fluxo menstrual.

ANCIÃ

Elemento Terra

Trabalhar o elemento terra significa trabalhar com as emoções que estão estagnadas e emperradas, dificuldades de se movimentar, baixa autoestima. Com este banho ritual a energia irá se movimentar, reciclando e trazendo a energia positiva de firmeza, clareza e sabedoria.
A proposta aqui é promover uma conexão com o Arquétipo Anciã.
Deve ser trabalhado de 3 a 4 dias antes do período menstrual ou durante o período da entrada da lua nova

Kit do Ciclo Lunar

É especifico para aquela mulher que visivelmente se desequilibra durante o período menstrual, ou que entrou na menopausa e desconhece do seu poder. Achando que está velha.
A mulher na menopausa, ela apenas não procria mais, mas tudo o mais está ao seu alcance.
Se conecte e se reconheça.
E ou, toda mulher que queira trabalhar a fase lunar tradicional, ou seja, lua minguante, lua nova, lua crescente e lua cheia. Crescendo em seus padrões arquetípicos.
A proposta aqui é promover uma conexão com cada força enquanto trata do reconhecimento da sua energia de feiticeira, sacerdotisa, anciã e mãe.
Você está acostumada a vivenciar um ciclo da lua sem essa percepção de que poderá se reconectar porque está totalmente desconectada, portanto em desequilíbrio.
Não reconhece as próprias emoções, não percebe que a lua mudou.
                Seguramente se houver o contato com esta força e um reconhecimento do seu sagrado, a primeira coisa que ocorrerá possivelmente serão as TPM desaparecerem.
Este processo pode ser utilizado por mulheres em menopausa ou pós a mesma. O fator de não menstruar não significa que sua fonte dévica não esteja latente.

Leia mis sobre os Kit do sagrado feminino antes de comprar.
Ficarei muito feliz de saber que está utilizando e se beneficiando. Invista em você!!!

 

 

A saboaria e herbomagia Ser Divina

O ideal de autocuidado e conexão de equilíbrio

A Saboaria e Herbomagia Ser Divina tem por objetivo principal, trazer a magia das ervas e dos aromas para o cotidiano das pessoas, unindo essa magia aos cuidados tradicionais da higiene corporal, ampliando este rito para além do corpo físico, ou seja, incluindo os cuidados da mente e do campo energético diariamente, favorecendo para o equilíbrio, relaxamento e proteção.
Meu nome é Celi Coutinho por mais de três décadas exerço o meu lado alquimista através da  perfumaria magística, ou Aromagia.
E há tempos eu já vinha com vontade de fazer, muito mais, dentro do mundo dos aromas e da “herbomagia”.
Herbomagia Ser Divina foi o primeiro nome que veio em minha mente quando decidi participar da Feira da Mystic fair de 2019 em São Paulo. Eu quis levar mais que os tradicionais perfumes alquímicos, mas também chás e banhos, velas perfumadas e sabonetes.
Para o evento, levei sabonetes produzidos através do método melt & pour (com base de sabonetes glicerinadas prontas), com o tempo curto que eu tinha naquele momento o melt & pour (derreter e verter) era o mais viável, pois o mundo da saboaria começava a se descortinar para mim naquele momento, ao pesquisar por produtos de base glicerinadas para comprar, fui percebendo outro mundo dentro do ramo da saboaria.
E para o meu prazer e curiosidade, no evento da Mystic Fair, havia vários outros stands com saboaria, tinha de um a tudo, e a coceira nas mãos e na mente cresceu muito.
Mas, porém pesquisar mais naquele momento não era possível. Coloquei como projeto para 2020. E assim que o ano virou comecei a ler e estudar e com “sorte” veio a quarentena, digo sorte, porque no meu cotidiano daquele momento eu demoraria muito mais tempo para ter produtos de saboaria artesanal.
Fazer sabonetes do zero, saponificado com óleos especiais e assim ter produtos artesanal e veganos e com qualidade de melhoria da pele, e ainda contribuir para não agredir a natureza, se tornou o meu objetivo.
E principalmente saber exatamente o que contém no meu produto. A Saboaria é um mundo de muitas controvérsias, precisa ter um filtro muito grande para escolher um caminho para seguir.
Com o período  do “fique em Casa”. Tive a chance que eu precisava. Estudar e praticar a saboaria artesanal.
O universo é sábio, e se soubermos ler e aproveitar as oportunidades podem ser feitos coisas incríveis.
E cá estou apresentando meus projetos ao mundo. Eu decidi me especializar em fazer linhas de sabonetes naturais feito do zero e fito-espirituais.
Iniciei com o método cold process, ou seja, o processo inicialmente feito a frio, digo isso porque quando ele entra no processo de saponificar ele fica muito quente devido a reação com a lixivia, e necessita de um tempo muito grande de cura em alguns casos, principalmente os que são feitos com azeite de oliva.
E isso me preocupou na época, porque desejava fazer pequenos lotes. E me veio uma pergunta, será que terei produtos assim para oferecer a qualquer momento? Percebi que dentro do que eu almejava não era bem assim. Enquanto as primeiras remessas entravam em processos de cura, sendo que alguns podem levar de 6 meses até 1 ano para ficar no ponto de ser comercializado, o mínimo são dois meses (em produtos que levam óleo de coco e ou palmiste).
Decidi estudar mais porque o meu objetivo era ter algo mais rápido, e fui estudando e já havia lido sobre o hot process (processo a quente), mas eu não tinha equipamentos para tal feito e fui devagar até que consegui comprar meus equipamentos, que são coisas simples, mas caro, para quem não tem como investir, e naquele momento da pandemia, não estava tão simples.
Fui testando, em julho de 2020 voltei ao consultório, entre aulas e atendimentos, rentabilizei o necessário e perfeito, já tinha como comprar mais material e mais equipamentos. Eu disse lá atrás que o universo é sábio e conspira ao nosso favor. Até então estava reproduzindo receitas encontradas e testando, perdi bastante matéria prima enquanto seguia  com receitas da internet, aulas online, youtube (aqui o crivo precisa ser redobrado), mas assim mesmo eu fui testando mais e mais.
E foi assistindo lives e cursos online gratuito de varias saboeiras já famosas no processo e inclusive a Natalia Bissom, uma mulher da saboaria muito consciente e foi com ela que eu percebi que dava para ir muito mais longe, encontrei caminhos para estudar, porque eu já tinha termos técnicos para pesquisar.
Eu sou umbandista e um dado momento de 2020, perto do mês de setembro, não me lembro ao certo agora, uma das entendidas da minha mãe de Santo me pediu para preparar sabonetes com funções espirituais e me deu uma lista das ervas que eles desejavam serem importantes, como: cravo, canela, de sementes de sucupira, pixuri (nunca tinha ouvido falar), rosas vermelhas, anis-estrelados.
Gente confesso que eu sai aquele dia com um sorriso de ponta a ponta, imaginem só!
Entidades pedindo para eu executar as “pedras que lavam”, algumas coisas eu nem fazia ideia de como fazer. Perguntei eu não sei como fazer com esses produtos da lista?
E a resposta foi; você saberá!
Ahaah! Pergunta tola.
Claro que eu deveria saber ou ter quem saiba na minha linhagem espiritual.
Porque afinal é nato em mim mexer com ervas, sempre foi, simplesmente brota.
E confiei nisto e sai para buscar as ervas, pitanga, na verdade a maioria eram especiarias, canela, anis-estrelado, cravo da índia até ai tudo bem.
Pixuri, que será isso?
Pesquisei e não achei nada naquele momento.
Bom, então fui à zona cerealista e assim, fui de loja em loja perguntando, e a maioria não sabiam o que era pixuri, até que por fim encontrei, mais da metade de um dia procurando e andando. Até que encontrei, ufa me deu um frio no estomago, porque é extremamente caro este tal de pixuri.
E então, comprei algumas sementes,  enquanto fui pegando na mão, acho que umas 100 gramas, o coração dizia, será que isso dará?, ai que dúvida. E escutei claramente nos meus ouvidos, “Isso tá bom”. Então tá. E por último comprei a sucupira.
A historia da sucupira também foi muito engraçado, porque eu já havia há muitos anos atrás recebido a informação de que eu devia tomar um banho de sucupira, mas a pessoa não me ensinou como usá-la na época, e eu fervi as sementes inteiras e confesso, não senti efeito algum, e deixei de lado, isso não funciona. E de repente eu com sucupira na mão para fazer sabonetes.
Confesso que vim me questionando como usar o tal do pixuri e a sucupira.
Bom, eu aprendi a não discutir racionalmente nestas horas, simplesmente deixar fluir.
E tudo certo!
Vim para casa, coloquei na mesa e comecei a pensar como usar aquilo tudo. Separei tudo, já estava cansada e deixei para o dia seguinte.
Gente não precisou de nada, a força e energia que eu sentia e a tranquilidade em fazer, aquela sensação de que não era eu, e assim fiz os extratos.
Bom, o Pixuri foi ralado, e a sucupira foi socada e percebi que havia óleo dentro dela, e a semente verde saía de dentro. Claro que fiz um chá com duas delas deixei amornar e tomei um banho.
Minha nossa que efeito, senti firmeza no corpo, acabou o cansaço, aliviou as dores nas pernas como passo de mágica.
Levei dois dias para fazer os extratos, fiz extratos glicerinado, extratos alcoólicos e também coloquei no óleo para macerar, e enfim foi vindo.
Depois em outro momento, fui entender como que compor as formulas dos futuros sabonetes fito-espirituais, quais óleos e manteigas e azeites escolheria, colocar na calculadora e chegar num consenso de fórmulas de sabonetes. Deixei o tempo necessário para os extratos ficarem prontos. O processo todo até chegar o momento de fazer os sabonetes levou 30 dias.
E a decidi fazer no hot process, pois havia urgência neste material.
Gente e foi show. Um mundo de beleza e perfeição, não digo na estética, porque o hot process produz um sabão mais rústico, mas o aroma e o produto na pele indiscutivelmente bom, e enfim estava criado a linha fito-espiritual.
Criar depois para os arquétipos foi simples e assim com objetivos específicos dentro da magia que atenderá o mundo energético com foco no SAGRADO FEMININO E OUTROS ARQUÉTIPOS DA MAGIA, montando projetos especiais que estão disponibilizados na loja.
Os sabonetes da linha magia e arquétipos do sagrado feminino, eu digo que são produtos fito-espirituais, e não só fito-energéticos, já conhecido por muito muitos. Fito-espirituais mesmo. Porque como eu disse antes de ser uma saboeira sou fitoterapeuta, aromaterapeuta, perfumista, umbandista e condutora do sagrado feminino. Portanto, as propriedades das plantas e como usá-las é algo que domino muito bem, e sei como agregar os produtos na saboaria sem perder valores energéticos e mágico das plantas, claro percebi isso depois de muito estudar e fazer teste e mais testes e depois de pronto levar para as minhas clientes de consultório e alunas. E escutar de uma por uma o quão diferente de tudo que elas já usaram, e o mais importante é que elas sentiam na diferença de um sabonete artesanal comum para os que estavam comprando agora.
Me lembro em Dezembro 2020, uma moça que é aromaterapeuta que estava no círculo de mulheres e comprou o sabonete Lilith, ela no dia seguinte passou uma mensagem dizendo.
“Celi, nunca usei um sabonete que eu sentisse a mudança em mim, Maravilhoso. E assim tem sido os elogios”.
E é claro no centro os sabonetes de pixuri, sucupira, rosas vermelhas, anis-estrelado, canela, cravo-da-índia, pitanga, sendo indicado e utilizados e seus efeitos sendo visto aos olhos nu.
Uma outra coisa muito interessante, aprendi que sabonetes para terem efeitos no corpo precisam ser deixados por 5 minutos a espuma na pele para absorver os efeitos que nele contem de propriedade, principalmente no quesito limpeza ou imantação do corpo áurico.
Quero deixar claro um outro pensar aqui.
Com o meu conhecimento de aromaterapia, dentro da saboaria não acredito que um sabonete feito com óleos essenciais tenham efeitos para mudar uma pele, para ser anti-bactericida, e uma série de promessas que eu vejo e ou cuidados do campo áurico e serem fito-energéticos.
Pura e simplesmente, porque o óleo essencial é algo muito sútil e sensível ao calor, portanto se exposto a uma temperatura maior que 21 graus ele perderá propriedade, se torna apenas um produto cheiroso, isto quando o aroma permanece. Para dar cheiros aos sabonetes a única alternativa é as essências, claro, digo que as essências, porque alguém que é aromaterapeuta de verdade, já sabe disto e não usará óleo essencial no sabonete, algo tão caro apenas para perfumar e fazer parte do banho que a água leva para o ralo, este não é o ponto, óleo essencial nem vai pro ralo,  porque ele deixa de ser óleo essencial dentro do processo da saponificação.
No cold press, você inicia com ele frio e durante o processo da saponificação ele chega a 70 graus ou mais. Sem chance do efeito dos óleos essenciais perdurarem, No Hot process o superfat (óleos e manteigas adicionais) é inserido depois do cozimento numa temperatura media de 65 graus, muito alta a temperatura para o óleo essencial sobreviver. Portanto, também o efeito do óleo essencial no melt & pour você não consegue inserir numa temperatura menor que 40 graus, vai com sorte de não endurecer antes de 40 graus, perdeu de novo o efeito do óleo essencial.
Então, o que dará propriedade aos sabonetes artesanais feito desde da base é o oleato, e extratos glicerinado e extratos alcoólicos.
E os sabonetes artesanais para se tornar um produto que cuida da pele, cuida do corpo emocional e  espiritual, precisa de um conjunto de fatores que darão atributos aos sabonetes.
É necessário montar um projeto do que se deseja, e pensar no extrato, no oleato, nos óleos e nas manteigas que serão utilizados.
Quando os meus sabonetes não são feito de azeite de oliva extra virgem, estou trabalhando com óleos de coco e manteigas, porque permitem um sabonete suave e com funções terapêuticas.
Eu trago alguns sabonetes tradicionais para respeitar a historia da saboaria antiga, e assim ter a ancestralidade envolvida neste processo, como o sabonetes de Castella, o de Bastille, e o Aleppo que não tem a intenção de fito-espirituais e nem da magia e sim, uma linha com excelente produtos para o banho, extremamente hidratantes e funcionais.
Já dentro da linha Herbomagia ofereço produto como: chás, ervas para banho e  pós da prosperidade para aspergir no ambiente.
Na linha de chás e banhos, eles são compostos com ervas que tem regência mágica e astrológica que permite ter a função de atrair aspectos de purificação, no corpo, na emoção e na mente, abrir as nadis (condutos sutis energéticos) levando as mensagens da mente através de uma corrente elétrica ao seu corpo emocional e receber de volta informações através destes mesmos canais ao seu sistema nervoso central, traduzindo que a energia das ervas ingeridas no chá faça a função de purificar, energizar, acalmar, de gerir atração e de levar à meditação, assim como no banho as ervas tem a função de limpar, purificar e imantar.
E a Aromagia – São perfumes alquímicos elaborados com óleos essenciais naturais,  sem fixadores animais, são perfumes com os cheiros mais acentuado devido o uso do óleo essencial puro e álcool de cereais.
Você pode utilizar, nos ambientes espirando no ar, na hora de fazer um ritual para abrir portais e em seu corpo nos chacras, pode ser diluído para a sua adaptação na água do banho até que possa utilizar puro em seu corpo.
Não causam alergias, atuará de forma terapêutica e magística, portanto é possível ter algumas reações naturais das mudanças.
Como também sinergias aromáticas, blend, bálsamo. Estes são elaborados com óleos essências que pode ser acrescido a frio.
Escrevi bastante e para finalizar eu digo: “Conto com vocês para crescer a ideia de se utilizar um produto que tenha uma função maior do que só limpar a pele, mas que possa hidratar e cuidar do campo áurico”.
Compre seus produtos, apreciem e depois voltem para deixar seu depoimento.

Gratidão por lerem ate o final!!!

 

 

A Herbomagia Ser Divina tem o propósito de levar ao seu alcance num único local o acesso ao poder das plantas, através de produtos elaborados com a utilização da força mágica que há nos óleos essenciais e nas ervas.
Na Herbomagia você encontrará um produto que irá, magisticamente falando, resgatar a força, o poder em cada pessoa ou ambiente no qual for utilizado, através de produtos como: chás, ervas para banho, pós da prosperidade para aspergir no ambiente, cremes e óleos aromáticos, saboaria artesanal.
Dentro do processo para elaborar as composições e as fórmulas, as ervas e os óleos essenciais são despertados magisticamente para que o poder de cada erva ou essência, passe ter a verdadeira função de propriedade mágica.
A herbomagia Ser Divina tem o objetivo de unir cheiros e ervas para surtir efeitos incríveis para o seu dia a dia.
A Herbomagia convida você a plantar um jardim em sua alma, em sua casa, em seu trabalho e no seu cantinho espiritual.
Produtos Elaborados 100% vegano e artesanal. Na linha de produtos você encontra chás, ervas para banhos, sais de banhos, velas aromáticas, e a aromagia à seu favor.
Utilize um produto se assim desejar. Mas o objetivo e que você tenha alcance a um kit para o seu ideal de vida e para o seu momento.

Aromagia – São perfumes alquímicos elaborados com óleos essenciais naturais,  veganos, não se utiliza de fixadores animais, são perfumes, portanto, os aromas são mais acentuados, devido o uso do óleo essencial e álcool de cereais.
Você pode utilizar, nos ambientes aspergindo no ar, na hora de fazer um ritual para abrir portais e em seu corpo, nos chakras, podendo ser diluído para a sua adaptação na água do banho até que possa utilizar puro em seu corpo.
Não causam alergias, atuará de forma terapêutica e magístico, portanto é possível ter algumas reações naturais das mudanças.

Chá unidos com ervas que tem regências mágicas e astrológicas para atrair aspectos de purificação, no organismo, para abrir as nadis (condutos energéticos do corpo que levam as mensagens da mente através de uma corrente elétrica ao seu corpo e recebe informações através destes mesmos canais ao seu sistema nervoso central, traduzindo que a energia das ervas ingeridas no chá tenha a função de purificar, energizar ou acalmar,

Escolha um chá agora para o seu momento. E leve contigo aquele que no seu dia dia, você julgue necessário transformas.

Ervas para Banhos

São elaborados com ervas que traz a função em cada fórmula em sua composição, banhos para descarregar energias nocivas do seu movimento diário, Banhos para atrair e imantar em seu campo a prosperidade, para abrir caminhos e ou para atração.

Escolha seu objetivo do agora e leve aquele que você precisará em qualquer momento especial do mês.

Velas Especiais

Velas aromáticas elaboradas com essências especiais para purificar o ambiente e ou para magnetizar as energias de seu local de trabalho e ou pessoal.

Pó da prosperidade
Certamente você conhece e já ouviu falar no mundo místico para assoprar canela todo dia 01 do mês para trazer prosperidade.
A Herbomagia, fez mais que isso, uniu as três mais importantes especiarias que o mundo das plantas pode fornecer, a canela, o cravo e anos moscada. Uniu e transformou no pó da prosperidade, imantado e acordado magisticamente, para que você utilize, sempre, não somente no dia 01 de cada mês, mas na mudança da lua nova e da cheia. Preencha sua vida de prosperidade através do firme pensamento positivo e de seu assopro.

Sais de banho.
O sal de base é o sal rosa do himalaia, sem iodo portanto orgânico e traz em seus cristais a força do amor, unido com ervas e óleos essenciais, para o seu banho seja completo sempre que se sentir, cansado exaurido e precisando de um toque a mais de energia e de purificação.
Tem granulado, que pode ser utilizado na banheira, ou diluído em um pouco de água num vasilhame que você possa tampar e deixar o sal dissolver um pouco e depois acrescente com água morna e esfregue no corpo com calma.

O Sais de banho no formato fino, basta misturar num pouco de óleo de amêndoa, e esfregar levemente no corpo antes do banho, pra entrar nos poros as essências e a força das ervas e ainda promover um esfoliamento.

E depois dos sais de banhos finos se utilize de sabonetes especiais elaborados, também com ervas e aromas que completará seu banho, e após colocar sua roupa, uma nova pessoa estará em seu corpo, limpo de quaisquer emoções, basta agora, manter o pensamento positivo para que o seu verdadeiro Eu tenha força para estar  presente 100% do seu dia a dia.

Por esse motivo é chamado herbomagia Ser Divina, ou seja através das ervas imante a magia e resgaste sua Ser Divina, seja você um homem e ou uma mulher.

O Sabonete de Castella teve sua origem no Reino de Castella, uma parte da Europa que hoje é conhecido como Espanha.
O nome Castella significa terra ou região de castelos, em referência aos castelos construídos na área para consolidar a reconquista cristã aos mouros.
Castella tinha uma abundância de olivais que foi levado pelos romanos, alguns séculos antes e logo se descobriram que o azeite da azeitona produzia um sabão muito superior, e então nasceu o sabão de Castella.
Não demorou muito para que o sabonete de Castella se tornasse um produto muito desejado, não só por conta de seus benefícios para a pele, mas também por seus valores no mundo da medicina, onde era conhecido por boticários e médicos.
O sabão de Castela logo se tornou a primeira escolha de muitas famílias reais e pessoas ricas em toda a Europa. Era caro e não estava disponível para todos.
O rei da França, Luís XIV, estava encantado com o novo produto que logo tratou de decretar que todas as caldeiras de sabão de Marselha somente produzissem sabão de azeite de oliva. E os negócios então prosperaram, e logo Louis garantiu que uma boa porcentagem dos lucros fosse para seus cofres.
Algumas das caldeiras de sabão de Marselha perduram até hoje, mas, após o fim do controle de rei Louis sobre o que iria ou não para a pasta, outros óleos, como o de palma, foi adicionados em suas formulações.
Mas o que é o sabão de castella hoje, e como ele difere daquele de antigamente, e quais os benefícios que ele tem sobre o sabão convencional?
Bem, basicamente nada mudou no que diz respeito aos ingredientes básicos. Um verdadeiro sabão de Castella ainda contém exclusivamente azeite de oliva 100%, embora muitos pareçam acreditar que um sabão pode ser classificado como uma Castella se contiver um pouco de azeite e outros óleos e muitas empresas, especialmente nos EUA, usam o nome Castella em seus produtos, embora não exista apenas azeite de oliva neles. O sabão de castella de azeite de oliva puro produz uma espuma muito suave e cremosa, sem grandes bolhas, é extremamente suave, tornando-o adequado para os tipos de pele e principalmente para as mais sensíveis e também para as peles tenras de bebés e crianças pequenas.
Um dos constituintes mais importantes do azeite é o ácido oleico contendo uma porcentagem de aproximadamente 60% a 80%.
Isto significa é que o azeite é um regenerador da pele e um umectante natural, mantendo a pele macia e suave.
O azeite de oliva também contém Squalane, que tem a capacidade de ajudar a pele a reter a umidade enquanto nutre e fornece proteção para todos os tipos de pele, especialmente a pele seca e sensível. Não é gorduroso, portanto não é comedogênico, o que significa que não restringe ou obstrui os poros de forma alguma. Também foi comprovado que acelera o processo de cicatrização, devido ao seu alto teor de vitamina E.
Então dentro da história, o azeite de oliva é utilizado em saboaria ganhando nomes diferentes de acordo com a região.
Na Espanha o sabonete de castella, Na França cresce como o sabonete de Marsella que é composto com outros óleos principalmente o azeite de palma.
O sabonete de Allepo na Síria, basicamente feito com azeite de oliva extra virgem e óleo macerado com louro e agua.
O Bastille que é feito com  72% de azeite de Oliva e 28% óleo de coco.
Hoje em dia na saboaria natural tem uma mistura dessas origens.
A saboaria Ser Divina, traz o sabonete de Castella na forma liquida e em barra sem aromas e com aromas.
O Sabonete de Bastille e em breve o de Allepo.
São variações produzidas na base do azeite de oliva, que tratam a pele enquanto se higieniza.

A ORIGEM E HISTÓRIA DO SABÃO

Exatamente quando foi descoberto o sabão não se sabe ao certo, existem várias historias e lendas em torno de seu início.
De acordo com a lenda romana, o sabão foi nomeado após o Monte Sapo, um antigo local de sacrifícios de animais.
Após o sacrifício de um animal, a chuva lavava a gordura e as cinzas, que se acumulavam sob os altares cerimoniais, até as margens do rio Tibre.
Mulheres lavando roupas neste rio, notaram que ao lavar suas roupas em certas partes do rio após uma forte chuva, suas roupas ficavam muito mais limpas. Daí o surgimento do primeiro sabão – ou pelo menos o primeiro uso do sabão.
Embora essa explicação pareça possível, as evidências do lendário Monte. O Sapo nunca foi encontrado.
A palavra “sapo” aparece pela primeira vez em um livro escrito em latim intitulado “História natural”  escrito por Plínio. Um antigo acadêmico de Pompéia.  Em um dos seus livros do primeiro conjunto de enciclopédias do mundo antigo, escrito por volta do ano 77 DC, mas precisamente no livro 28, capítulo 51, Plínio escreve:
Também existe o sabão (sapo), uma invenção dos gauleses para dar brilho aos cabelos. É feito de sebo e cinzas, o melhor são os de cinza de faia e gordura de cabra, e existiu em duas formas, sólido e líquido; entre os alemães, ambos são usados ​​mais por homens do que por mulheres.”
 A receita de sabão mais antiga foi creditada aos antigos babilônios.  Um material semelhante a sabão encontrado em cilindros de argila durante a escavação da Babilônia, uma cidade na antiga Mesopotâmia, entre os rios Tigre e Eufrates, tinha evidência de que a fabricação de sabão era conhecida já em 2.800 a.C.,

Inscrições nos cilindros diziam que gorduras eram fervidas com cinzas de madeira como método de fabricação de sabão.
Um pergaminho egípcio chamado Papiro Ebers, datado de 1550 a.C., indica que os antigos egípcios se banhavam em uma combinação de óleos animais e vegetais misturados com cinzas de madeira, o que teria criado uma substância parecida com sabão. Está bem documentado que os egípcios tomavam banho regularmente.         Moisés deu aos israelitas leis detalhadas que governavam a limpeza pessoal. Os relatos bíblicos sugerem que os israelitas sabiam como misturar cinzas e óleo para produzir uma espécie de gel que poderia ser usado no cabelo. O sabão é mencionado duas vezes na Bíblia, mas é geralmente aceito que a palavra hebraica “borith”, que foi traduzida como sabão, é um termo genérico para qualquer agente de limpeza feito de madeira ou cinzas vegetais.
O sabão tornou-se extremamente popular em todo o Império Romano, por volta de 100 a.C. à 400 d.C. Quando as ruínas de Pompeia foram escavadas, uma fábrica inteira de sabão foi descoberta nos escombros.
Os hábitos de banho em toda a Europa aumentaram e declinaram com a civilização romana.
Quando Roma caiu em 467 D.C., o mesmo aconteceu com os banhos. Acredita-se que a falta de limpeza e as más condições de vida contribuíram para as muitas pragas da Idade Média.
Por volta do século II D.C., o médico grego Galeno recomendou sabões para fins medicinais e de limpeza.
Só no século VII surgiram fabricantes de sabão na Espanha e na Itália, onde o sabão era feito com gordura de cabra e cinzas de faia.
 No mesmo período, os franceses passaram a usar azeite de oliva para fazer sabão. O então sabão denominado de Marselha é fabricado no sul da França há mais de seis séculos. A receita foi oficialmente reconhecida pela primeira vez em 1688 durante o reinado de Luís XIV, o “Rei do Sol”.
Este é o período onde as fragrâncias foram introduzidas nos sabões e passam a ser denominados de sabonetes. E começa uma produção especializada para banho, barbear, shampoo e lavanderia.

Existe uma história de que o Rei Luís XIV da França executou três fabricantes de sabão por fazer uma barra que irritou sua pele muito sensível.
Os ingleses começaram a fazer sabão durante o século XII. Em 1633, o rei Carlos I concedeu um monopólio de 14 anos à Sociedade de fabricantes de sabão de Westminster.
De acordo com Alison Sim, em seu livro “The Tudor House wife”, “As senhoras da casa Tudor” (1485-1603) usavam um sabonete perfumado e denominado de Castela para suas lavagens diárias. Esse sabonete era feito com azeite de oliva, o qual é feito até hoje.
Um manual de instruções domésticas escrito durante este período incluía receitas de sabonete, o que sugere que pessoas de todos os níveis da sociedade estavam interessadas em higiene pessoal. Durante o reinado de Elizabeth I , o consumo de sabonete na Inglaterra era maior do que em qualquer outro país europeu . Parece que a própria rainha definiu a moda, pois foi relatado que a rainha tomava banho a cada quatro semanas, “fosse necessário ou não”.
Nos séculos 17 e 18, exatamente quando a indústria do sabão estava ganhando impulso na Inglaterra, ele se tornou objeto de uma série de restrições e tributação paralisante sobre o sabão.  Eventualmente, a Era Vitoriana chegou e, com ela, um novo interesse pela higiene pessoal. Foi só em 1853 que Gladstone aboliu o imposto sobre o sabão, permitindo que o sabão estivesse disponível e acessível para mais pessoas.
Duas descobertas de químicos franceses ajudaram a elevar o progresso da fabricação de sabonetes comerciaisEm 1791, o químico francês Nicolas Leblanc descobriu um processo para transformar o sal comum (cloreto de sódio) em um álcali chamado carbonato de sódio. Como o álcali era fundamental na fabricação de sabão e de outros produtos, essa descoberta se tornou um dos processos químicos mais importantes do século XIX. Em 1811, Chevreul descobriu a química por trás da relação da glicerina com os ácidos graxos. Com o advento da revolução industrial, o palco estava armado para a produção em massa de sabão.
No século 19, Louis Pasteur proclamou que uma boa higiene pessoal reduziria a propagação de doenças o que ajudou  aumentar a demanda por sabão.
Nos Estados Unidos, no início do século 19, a fabricação de sabão era uma das indústrias que mais crescia. Os americanos da zona rural faziam sabonete caseiro usando um processo desenvolvido durante a época colonial. Eram guardadas cinzas por meses a fio, para que, quando tivessem sobra de gordura suficiente dos abates de porcos podiam fazer sabão.
A lixívia à moda antiga era feita com cinzas de madeira dura, um barril  de cinzas e água da chuva. Buracos eram feitos no fundo de um barril. E o barril era colocado em uma laje de pedra ranhurada, que repousava sobre outra pilha de pedras. Uma camada de cascalho era colocado sobre os buracos. Em seguida, uma camada de palha, galhos e gravetos  colocada em cima do cascalho como um filtro para evitar que as cinzas entrassem na solução. Depois de encher o barril com cinzas de madeira dura, a água da chuva era despejada sobre as cinzas para lixiviar o líquido de soda cáustica marrom que fluiria para a ranhura ao redor da placa de pedra e assim pingaria em um recipiente.
Alguns fabricantes de sabão usavam um funil de cinzas para fazer soda cáustica, em vez do método do barril. Usando o mesmo processo básico, a soda cáustica pingava em um recipiente localizado embaixo da tremonha.
 A parte mais difícil da fabricação de sabão inicial era determinar se a soda cáustica tinha a concentração correta.
A “ água de soda cáustica ” era considerada se estava com força adequada para fazer o sabão, quando um ovo ou uma batata pequena era colocada na solução, se flutuasse cerca da metade para abaixo da superfície da solução. A solução estava fraca e se o ovo ou a batata flutuassem para cima, a soda cáustica era muito forte. Se afundasse rapidamente, a soda cáustica estava muito fraca.
Alguns dos primeiros fabricantes de sabão usavam penas de ganso ou de galinha para testar sua soda cáustica. Se uma pena inserida na água de soda começasse a se dissolver, então a força da água da soda estava na medida certa.
Durante a Primeira Guerra Mundial, os sabonetes comerciais como o conhecemos hoje, passou a existir.
Os ferimentos da guerra aumentaram a necessidade de agentes de limpeza. No entanto, ao mesmo tempo, os ingredientes necessários para fazer o sabão eram escassos. Então, cientistas alemães criaram uma nova forma de fazer “sabão” feito com vários compostos sintéticos e, como resultados surgiram os detergentes.

Na década de 50, as vendas de detergentes ultrapassaram as vendas de sabonetes nos Estados Unidos.
A maioria dos “sabonetes” comerciais disponíveis hoje é, na verdade, detergentes, que são feitos com subprodutos do petróleo.

Como esses “sabonetes” são detergentes, por lei não deveriam  ser chamados de sabonetes. Provavelmente, quando você vê um sabonete chamado “barra corporal”, não seja sabonete.
Após a Grande Guerra e até a década de 1930, o sabão era feito por um método denominado fervura em lote.
Os fabricantes de sabão comercial tinham enormes chaleiras de três andares que produziram milhares de libras de sabão ao longo de cerca de uma semana.
Pouco depois, uma invenção chamada de processo contínuo foi introduzida e refinada pela Procter & Gamble. Este processo diminuiu o tempo de produção de sabão para menos de um dia. Os grandes fabricantes de sabão comercial ainda usam o processo contínuo.
Os fabricantes de sabonete comercial também aprenderam que podiam remover a glicerina natural do sabonete, o que lhe confere propriedades hidratantes. Eles vendem ou usa em outros produtos de preço mais alto, exemplo: os hidratantes e cremes dos qual você necessariamente precisarão, porque esse sabonete resseca a sua pele. A remoção da glicerina natural também prolonga a vida útil do sabonete, de modo que ele pode permanecer no depósito ou nas prateleiras por muitos anos.
Hoje, há uma consciência maior e mais refinada dos possíveis efeitos adversos de muitos dos aditivos sintéticos e produtos químicos que em sabonetes comerciais podem causar. Consumidores inteligentes e conscientes estão se voltando para sabonetes orgânicos totalmente naturais.
 Mesmo as grandes empresas estão começando a anunciar “ingredientes naturais” em seus produtos.
Mas cuidado! A adição de um ou dois ingredientes naturais não torna um produto “totalmente natural”. É praticamente impossível para grandes industrias criar sabonetes naturais feitos à mão.